Valoriza aprovou orçamento para 2019 com Lar Residencial no horizonte

A Assembleia Geral da Valoriza- Associação de Desenvolvimento Local reuniu esta quarta-feira na sua sede, em Amares, para, entre outros pontos, aprovar o Orçamento e Programa de Ação para 2019.

Presidida por Emanuel Magalhães, da sessão destacou-se o facto da instituição aprovar um orçamento de cerca de 314 mil euros, inferior ao do ano anterior, pelo facto do projeto Valor Humano 3G, CLDS para o concelho de Amares, encerrar o ciclo em Março de 2019, não havendo ainda certezas quanto à 4ª geração dos CLDS.

No resto, referiu aos associados Pedro Costa, Presidente da IPSS, “esta Direção vai continuar a desenvolver este projeto social com ambição de servir melhor e mais pessoas, mas com a racionalidade e rigor financeiro que a instituição tem protagonizado”. Após a leitura do parecer positivo do Conselho Fiscal, o líder da Direção garantiu que a Valoriza vai continuar “o trabalho de excelência que é reconhecido ao CAO Ser Igual”, bem como “a resposta importantíssima que o projeto Luz de Presença está a levar à população mais idosa do concelho, freguesia a freguesia”, embora anunciando que “este projeto deverá ser alvo de uma reformulação, nomeadamente financeira, devido à quebra de apoios que tínhamos até aqui”.

Aos presentes o Presidente da Direção referiu que 2019 se antevê muito exigente, pois “creio que será um ano determinante para lançamos o projeto do Lar Residencial Ser Igual, direcionado à deficiência mental adulta, pois estamos a trabalhar numa revisão do projeto que nos poderá permitir avançar para a sua edificação”, declarou. Esta resposta tem já vários potenciais utentes pré-inscritos, é de extrema necessidade e “vai elevar o grau de exigência para todos nós, até porque irá permitir praticamente duplicar a estrutura de recursos humanos, com o potencial, mas também a responsabilidade que isso implica”.

A reunião serviu ainda para aprovar uma alteração estatutária relativa ao objeto que inclui agora a resposta de lar, bem como à morada da sede social – que passa a ser definitivamente a Rua das Escolas, em Amares, depois da sede ter estado nos primeiros anos na freguesia de Barreiros.

Todos os documentos foram aprovados por unanimidade.